TAPE JUNK & PEDRO BRANCO

Dois dos mais prolíficos artistas da nova geração da música portuguesa lançam o seu primeiro projecto juntos. O álbum “Bolero” é editado a 24 de Novembro deste ano, pelos DiscosSubmarinos. “Battle Cry” é o tema de avanço de um disco gravado em casa, feito integralmente a quatro mãos e de raízes declaradamente indie/folk. Uma canção escrita no rescaldo de uma separação, trespassada por um misto de esperança e tristeza que a transformam na breakup song perfeita para embalar corações (partidos e não só).

Pedro Branco é um guitarrista da periferia com um semblante suburbano, mas com muita vida forasteira nos dedos. Começou na garagem, passou para o jazz e agora encontra-se em território neutro, a tentar encontrar uma vida entre a canção do bandido e a letra sem rebuço. Tape Junk é a personagem da vida real do tipo que é o João Correia. Os seus discos contam histórias inebriadas de cowboys inventados e uma vida que não pediu para acontecer, mas que já que aqui se vai andando ao menos que se tente qualquer coisa ali entre o fortuito e a miséria autoproclamada.

Entre os dois contam-se colaborações e performances com gente tão distinta como Jorge Palma, Fausto Bordalo Dias, Lena D’Água, Tiago Bettencourt, Bruno Pernadas, Benjamim e mais um montão de gente. Deles tiraram-lhes o dinheiro e a oportunidade de fazer um belo name dropping em bios, mas também muita vida e experiência para perceberem melhor o que eles próprios têm para dizer.